segunda-feira, julho 04, 2011

Os ingressos seriam mais baratos se não houvesse meia-entrada?



Estava lendo essa semana a edição de julho da revista Superinteressante e a seção "Respostas" traz esta pergunta. Os ingressos seriam mais baratos se não houvesse meia-entrada?

Segundo o artigo, o preço dos ingressos no Brasil (seja de shows, espetáculos ou cinema) é abusivo porque 80% do público paga meia-entrada. Assim sendo, os 20% restantes têm que cobrir o prejuízo. O preço do ingresso inteiro é determinado depois que os organizadores calculam a estimativa dos pagantes de meia-entrada.

O artigo também nos dá as seguintes informações:

Considere uma sala com 100 pessoas:

Como é hoje: 80 pessoas pagam meia (R$10 cada, somando R$800), e as outras 20 pagam inteira (R$20 cada, somando R$400). Total de R$1200.

Com desconto de 30% (em países como o Reino Unido e os EUA, por exemplo): 80 pessoas têm desconto de 30% (R$11 cada, somando R$880), e as 20 restantes pagam inteira (o preço cairia em 20%, cada um pagaria R$16, somando R$320). Total de R$1200.

Sem desconto: Todas as 100 pessoas pagam R$12. Total de R$1200.

Supondo que as meias-entradas não existissem, o preço dos ingressos cairia para quase a metade, e todo mundo pagaria a mesma coisa. Mas será que isso aconteceria, um dia? A meia-entrada foi um direito que a UNE (União Nacional dos Estudantes) conquistou nos anos 1940, mas com esses cálculos simples pudemos perceber que, no fim das contas, a vantagem não é assim tão grande.

.

Sempre que se discute o preço de ingressos, especialmente de shows, me lembro do exemplo da banda The Clash. Em várias ocasiões, a banda se recusava terminantemente a tocar se achassem que os ingressos estavam caros. Para eles, todos os fãs devem ter direitos iguais de assistir a banda tocar. Certa vez, em 1983, eles tocariam em um festival nos EUA, com David Bowie e Van Halen. O Clash alegou que a organização estava pedindo um preço elevadíssimo pelo ingresso, e disseram que não participariam do festival, a menos que no mínimo metade dos lucros fosse doado à instituições de caridade. A banda também agia assim com os preços dos seus discos, exigindo da gravadora que o duplo London Calling e o triplo Sandinista! fossem vendidos pelo preço de um álbum simples. Nunca lucraram um centavo com as vendas deste último. Mas o Clash nunca se tratou de dinheiro, de qualquer forma.

E vocês, o que vocês acham sobre as meias-entradas?



2 Musicólatras Comentaram:

Edison Junior disse...

A conta que eles fazem está correta. Para dar o mesmo resultado no final, o ingresso inteiro tem que ser mais caro para compensar o mais barato. Por outro lado, quem paga inteira tem que se conformar com isso, porque um dia já pagou meia.
O que eu questiono é o pressuposto do cálculo. Não acredito que 80% do público pague meio ingresso, a menos que seja um show do Restart ou coisa que o valha.

Emmanuella disse...

É, eu também achei que é gente demais... Mas se for ver a galera que falsifica carteirinhas, ou os que conseguem pagar meia "na manha", realmente não sobra muita gente pagando inteira =P