sexta-feira, junho 03, 2011

Duke Ellington no Festival de Jazz de Newport - 1956

Duke Ellington

Dentre os inúmeros títulos nobliárquicos do jazz (King, President, Lady, Count, Earl e outros), talvez o que melhor se aplique pelo conjunto da obra e importância para a música americana é o de Edward Kennedy Ellington, o Duque, Duke Ellington.

O pianista iniciou sua carreira na década de 20 e em pouco tempo já comandava sua própria orquestra. A Duke Ellington Orchestra durou até a década de 90, tocada pelo seu filho Mercer, após a morte de Duke em 1974. Ele não era o melhor pianista do pedaço (embora fosse muito bom) e nunca foi considerado o Rei do Swing (Benny Goodman), mas suas composições, arranjos e experimentações na música ajudaram a definir a música americana.

Atravessou a Era do Swing, o Bebop, o Cool, o Hardbop, sempre com a mesma qualidade, embora nem sempre com a mesma popularidade. Em meados da década de 50, por exemplo, passou por um período muito difícil em que as big bands já não eram muito requisitadas, chegando a tocar até em ringues de patinação (!?). Em 1956, porém, foi convidado pela primeira vez para participar do Festival de Jazz de Newport. Coube-lhe fechar a última noite do festival. Lá pelo meio da sua apresentação, por volta da meia-noite, começou a cair uma garoa e algumas pessoas da plateia, já cansadas, começaram a se dirigir ao estacionamento para irem embora.

Eis que a música Diminuendo and Crescendo in Blue começa a ser executada e empolga o público de uma tal forma que até hoje carece de melhor entendimento. O saxofonista Paul Gonsales é o solista nessa música e executa a proesa de tocar 27 choruses (refrões) em seguida. Ninguém o deixava parar, o baterista o incetivava a continuar e a galera foi enlouquecendo. Um dos símbolos dessa reação foi uma loira que pos-se a dançar freneticamente nos corredores, emplogando ainda mais a plateia e os músicos.

Newport 56 - Paul GonsalesNewport 56 - Loira Doida
O saxofonista Paul Gonsales e a loira doida

Foi uma noite mágica. O disco gravado ao vivo foi o que mais vendeu na longuíssima carreira de Ellington, revigorando sua orquestra. Duke chegou a declarar que ele havia nascido em Newport em 1956.

Imagina, Duke, você já havia criado uma boa parte da música americana até então.

Diminuendo and Crescendo in Blue - 1ª parte
Diminuendo and Crescendo in Blue - 2ª parte

Bom final de semama a todos!



0 Musicólatras Comentaram: