quinta-feira, janeiro 27, 2011

Música Antiga por Jordi Savall e Ensemble Hesperion XXI


Nos últimos trinta anos Jordi Savall vem sendo reconhecido como um dos maiores músicos e pesquisadores da música antiga, trazendo ao mundo partituras abandonadas e esquecidas.

Jordi Savall é considerado o mais importante nome na revitalização da música antiga, instrumentista e estudioso de obras antigas e já esquecidas por outros historiadores.Nasceu na Catalunha, aos 6 anos cantava em um coro infantil em Barcelona, indo estudar anos depois no Conservatório de Barcelona, violoncelo e teoria musical. 

Viola da Gamba
Seus primeiros estudos com a viola da gamba e música antiga foram autodidatas, depois se mudou para a Suíça, indo estudar na Schola Cantorum Brasiliensis como forma de aperfeiçoamento desse instrumento e acabou se tornando um dos defensores da importância da música antiga na Península Ibérica. 

Criou três grupos de música antiga: 
  • Ensemble Hesperion XX (1974) que se chama agora Hesperion XXI desde o ano 2000 
  • La Capella Real de Catalunya (1987) 
  • Le Concert des Nations (1989) 
Esses grupos têm repertório diversificado que vai desde a Idade Média até partituras do séc. 19. Junto com sua esposa a cantora catalã Montserrat Figueras já traduziu inúmeras partituras de origens turcas, gregas, espanholas e mouras. 


Jordi dirigiu orquestras de prestígio como a Filarmônica Barroca de São Francisco, a Orquestra Gulbenkian, Orquestra de Câmara de Salzburgo e a Orquestra de Câmara de Viena.

Gravou cerca de 170 álbuns recebendo mais de 50 prêmios internacionais, condecorado com dezenas de medalhas dos governos francês, espanhol e austríaco. 

Em 1998 cria sua própria gravadora chamada Alia Vox  e passa a editar seus álbuns e se destaca com a trilha sonora do filme Todas as manhãs do mundo pelo qual ganhou o César, o Oscar francês de melhor trilha sonora. 

Todas as Manhãs do Mundo
Além da trilha sonora, contracenou no filme com Gerard Depardieu que interpretou o personagem Marin Marais.

O instrumentista ainda participa de diversos projetos culturais seja como concertista ou pedagogo, são cerca de 140 concertos por ano, 6 gravações em estúdio anuais, diversas palestras.

Sua total entrega à música antiga e a viola da gamba tem o poder de transmitir e desmistificar a música antiga como sendo elitista, trazendo suas pesquisas ao público cada vez mais jovem e aliando música com literatura.

Como no álbum Christophorus Columbus: Los Paraísos Perdidos de 2006 onde apresenta uma combinação rara de fontes históricas e musicais do séc. 15 espanhol e recupera com isso o patrimônio musical e histórico da Península Ibérica. 

Em 2006 concorreu ao Grammy com o álbum Don Quijote de la Mancha para o prêmio de disco do ano. 


E outro exemplo dessa interação entre música e literatura surgiu o álbum Lachrimae Caravaggio, um cd dedicado ao pintor, com música da época e 7 pinturas comentadas pelo escritor Dominique Fernandez. 

Jordi Savall também dá muita importância à cultura oral, exemplo de seus álbuns Diáspora Sefardi e Oriente e Ocidente. Criou um álbum para contar a história de um príncipe moldavo que chegou a Istambul como escravo e que depois seria diplomata servindo seu pai, o príncipe chegou inclusive a escrever um tratado sobre música no século 18 sobre formas, estilos e teoria das músicas otomanas, recolhendo cerca de 335 composições, 9 de autoria própria transformando esse tratado na mais importante coleção de música instrumental otomana dos séculos 17 e 18. 


Para a realização desse álbum Savall chamou músicos ocidentais e orientais transformando assim em um álbum cosmopolita e fascinante. Mas não é só de música antiga que Savall vive, inúmeras partituras barrocas tem sido trazidas com uma qualidade de interpretação acima do comum, como Vesperais da Beata Virgem de Monteverdi, os concertos de Brandemburgo de Bach, além de diversas obras de Haydn e Mozart. 

Vale a pena conhecer seu imenso trabalho com a música antiga principalmente nas peças em que sua esposa canta, de uma beleza secular.

Assistam os vídeos, no último vídeo abaixo Jordi Savall interpreta Folias de Espanha de Antonio Martin y Coll, com a participação de sua filha Ariana Savall na harpa.

Pesquisa e Texto: Marcello Lopes 
Fotos: Google
Vídeo: Youtube



1 Musicólatras Comentaram:

Edison Junior disse...

Muito legal, Marcello. Fascinante esse trabalho de resgate do som como era ouvido na época em que foi criado.