sexta-feira, outubro 22, 2010

Tico tico no fubá

Tico-tico 2 O Tico-Tico tá
Tá outra vez aqui
O Tico-Tico tá comendo meu fubá
O Tico-Tico tem, tem que se alimentar
Que vá comer umas minhocas no pomar

Tico-tico no fubá é um exemplo perfeito do choro clássico, em três partes, composto na melhor tradição do gênero. Predestinado ao sucesso, impressionou logo em sua primeira apresentação, em 1917, num baile em Santa Rita do Passa Quatro, quando ganhou o nome de "Tico-tico no farelo". Razão do nome: a animação dos pares que dançavam em grande alvoroço, provocando o comentário do autor: "até parece tico-tico no farelo". Depois, talvez porque já existisse um choro homônimo (de Américo Jacomino), passou a "Tico-tico no fubá". Mas, apesar dessa estreia vitoriosa, a obra prima de Zequinha de Abreu só chegaria ao disco quatorze anos mais tarde, em 1931, ocasião em que foi gravada pela orquestra Colbaz, criada e distribuida pelo maestro Gaó. Sucesso absoluto, este disco permaneceu em catálogo até a década de quarenta, época em que a composição alcançou o auge da popularidade. Contribuiu para isso sua internacionalização comandada pelos americanos que, no curto espaço de cinco anos, incluíram-na em cinco filmes: “Alô amigos” (1943), A filha do comandante” (1943), “Escola de sereias” (1944), “Kansas City Kitty” (1944) e “Copacabana” (1947), sendo que nesse último era cantada por Carmem Miranda.


A partir de então recebeu dezenas de gravações, tornando-se uma das músicas brasileiras mais gravadas de todos os tempos, no país e no exterior.

Ouça estas outras versões.


E agora numa versão ska sugerida pelo Raphael Vaz, com a Orquestra Brasileira de Música Jamaicana.


E, já que traz boas lembranças ao Marcello (e a mim também), segue a versão com o Pato Donald e o Zé Carioca (lá pela metade do vídeo).


É ou não é uma música pra lá de simpática?

E se alguém quiser sugerir mais alguma versão, fique à vontade!

Nota: o texto do primeiro parágrafo foi extraído do livro A canção no tempo – 85 anos de músicas brasileiras - vol. 1: 1901-1957, de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello – Ed. 34 – 6ª edição, 2006.



4 Musicólatras Comentaram:

Marcello disse...

Sensacional Edison.

A música já nos primeiros acordes arranca de nós um sorriso, e de mim a lembrança de Zé Carioca dançando...rs

Abração.

Rafhael Vaz disse...

Hahah...muito bom Edison. Esta musical realmente encanta já nos primeiros acordes. Contribuindo na sua lista de regravações da música, indico esta instrumental: http://www.youtube.com/watch?v=6RQBeKEp9yg

ABraços!!

Edison Junior disse...

Já está lá, Raphael. Quem mais, se não você, arranjaria uma versão ska de Tico-tico no fubá? Muito legal! Gostei também da versão deles para O Guarani (http://www.youtube.com/watch?v=0VarHHOobh8&feature=channel)

Rafhael Vaz disse...

Hahahah...Eu tinha este desenho gravado numa fita. Via ele todo final se semana durante toda minha infância, chega bateu uma saudade. hahah

Edison, quanto à "Orquestra Brasileira de Música Jamaicana", cheguei a postar no meu blog um EP deles. Além de "Tico-Tico no Fubá" e "O Guarani" também tem regravações de "Águas de Março", "Carinhoso" e "Barquinho / Summer Samba" (http://musicaecerveja.blogspot.com/2009/04/orquestra-brasileira-de-musica.html)

Abraços!!!