sexta-feira, outubro 29, 2010

Paulo Cesar Pinheiro

“A música é uma estrela deitada na minha cama. Ela me chega sem jeito, quase sem eu perceber. Quando me dou conta e vou ver, ela já entrou no meu peito”

Assim o carioca Paulo César Pinheiro define seu processo criativo. Ele certamente ele é um dos maiores poetas vivos da MPB, parceiro de alguns dos maiores músicos brasileiros, de Pixinguinha a Vinícius de Moraes, passando por Eduardo Gudin, Baden Powel, Radamés Gnatalli, Mirabeau Pinheiro, João Nogueira e muitos outros.

Aos 61 anos, possui mais de 1.000 músicas gravadas e mais umas mil na gaveta. Oito delas você vai conhecer aqui, se é que já não conhece.

Viagem foi a primeira letra, feita aos 14 anos (!), com música de João Aquino, interpretada aqui por Emílio Santiago.

Com João Nogueira, um de seus parceiros mais frequentes, saiu coisas fantásticas como Espelho.

Baden Powel toca e canta Lapinha, música que fez grande sucesso com Elis Regina.

Também em parceria com Baden Powel, Vou deitar e rolar (Qua-qua-ra-qua-quá), com Elis Regina, uma de suas melhores intérpretes. De quebra, no vídeo tem também A vida quem dá é Deus, dos mesmos autores.

Cai dentro. Diz a lenda que ele compôs essa música sob encomenda de Elis, para dar uma cutucada em uma rival da época. Paulo César Pinheiro se nega até hoje a revelar quem era.

Aqui o próprio poeta interpreta Evangelho, composta com Dori Caymmi, e apesentada no show O importante é que a nossa emoção sobreviva, com Márcia e Eduardo Gudin, em meados da década de 70 – mais informações sobre o álbum no blog Jazz & Rock (clique aqui).

E, finalmente, Cicatrizes, em parceria com Miltinho, interpretada por Roberta Sá e MPB4, uma das minhas músicas favoritas dele.

É isso aí, caros Musicólatras, bom final de semana a todos ao som dos maravilhosos sambas de Paulo Cesar Pinheiro!


P.S. Já tinha preparado esse post quando vi o do Raphael abaixo. Resolvi mantê-lo porque os conteúdos são diferentes. Benvindos à Semana Paulo Cesar Pinheiro!



3 Musicólatras Comentaram:

Rafhael Vaz disse...

Benvindos à Semana Paulo Cesar Pinheiro!

Sensacional o post Edison!!! Muito bom!! Uma de minhas músicas favorita dele, é sem dúvida "Minha Esquina" do cd gravado em 1980 (http://musicaecerveja.blogspot.com/2010/03/paulo-cesar-pinheiro-1980.html), a letra é magnífica.

Quanto à este trecho que citou, da poesia que ele recita no disco "Parceria" antes da música "O Poder da Criação", uma vez me dei ao trabalho de ouvir e escrever letra por letra. QUem tiver a curiosidade, segue o resto:

"A música me ama, ela me deixa fazê-la
A música é uma estrela, deitada na minha cama
Ela me chega sem jeito, quase sem eu perceber
Quando dou conta e vou ver, ela já entrou no meu peito
No que ela entra, a alma sai
Fica o meu corpo sem vida
Volta depois como vida e eu nunca soube aonde vai
Meu olho dando a brilhar, meu dedo corre o papel
E a voz repete o cordel que se derrama do olhar
Fico algum tempo perdido até me recuperar
Quase sem acreditar se tudo teve sentido
A música parte e eu desperto para o mundo cruel que aí está
Com medo dela não mais voltar, mas ela está sempre por perto
Nada que existe é mais forte
E eu quero aprender-lhe a medida
De como compõe minha vida, que é para eu compor minha morte"

ABraços!

Edison Junior disse...

Legal, Raphael, não conhecia a poesia completa.

Daniel disse...

PCP é o cara ! Excelente postagem.