terça-feira, outubro 19, 2010

Iron Maiden - "Paschendale"

O Iron é conhecido por criar letras excelentes, ainda mais quando o assunto é guerra, creio que é uma das especialidades da banda, entre as várias composições posso citar, “Aces High”, “Invaders”, “The Trooper”, “Tailgunner”, “Paschendale”,“For The Greater Good Of God” (que cita a guerra religiosa nas nações), entre outras. Eu particularmente gosto desse desse tema, principalmente por abordar fatos históricos, seja na música, cinema ou literatura.

Neste post vou falar sobre a música “Paschendale”, do álbum “Dance of Death”, que tem como base fatos reais (como explica o artigo postado abaixo), o Maiden conta de maneira surpreendente um pouco da história da guerra na visão de um soldado, que conta tudo que ele passou, desde o começo enquanto ele esta na trincheira esperando o momento exato de atacar, passando pelo momento em que o soldado lembra do seu lar, sua família, chegando ao triste final em seu leito de morte. A letra foi composta pelo guitarrista Adrian Smith e o baixista Steve Harris.

Esta música descreve as ações de um soldado que lutou na batalha de Paschendale, também conhecida como “A Terceira Batalha de Ypres”, uma das maiores da Primeira Guerra Mundial. Neste conflito, contra o exército alemão lutaram os exércitos canadense e britânico, além do ANZAC, grupo de tropas da Austrália a Nova Zelândia.

O conflito se deu pelo controle da vila de Paschendale (conhecida como Passchendaele naquele tempo), perto da cidade de Ypres, na província de Flandres, Bélgica. O controle da região romperia a linha de defesa alemã, abrindo caminho à costa belga, onde estavam instaladas bases de submarinos alemães.

O solo nos arredores de Paschendale era composto por pântanos, encharcados durante todo o ano, independentemente do clima. O ataque aéreo lançado pelos bombardeiros ingleses com a finalidade de destruir as barricadas e metralhadoras alemãs danificou ainda mais o terreno, e em conjunto com as chuvas de agosto formaram grandes “lagos” de lama líquida, onde muitos tanques afundaram e muitos soldados se afogaram.

Em seis de novembro de 1917, após três meses de luta, o exército canadense finalmente tomou Paschendale, encerrando o conflito. E é neste ponto que se encontra o soldado ao início da música, ferido mortalmente no campo de batalha. Cerca de 250 mil homens dos exércitos aliados morreram na Batalha de Paschendale, e houve praticamente o mesmo número de baixas do lado alemão. (Fonte: Whiplash!!)

Em 2008 foi lançado o filme "Paschendale", que conta a história do Sargento Michael Dunne(Paul Gross), um soldado que foi brutalmente ferido na França e retorna a Calgary emocionalmente e fisicamente com cicatrizes. Enquanto estava no hospital militar em Calgary, ele conhece Sarah (Caroline Dhavemas), uma atraente e misteriosa enfermeira, por quem se apaixona. Quando o irmão de Sarah, David se alista para lutar na Europa, Michael sente-se compelido a retornar à Europa para protegê-lo. Michael e David, como milhares de Canadenses, são enviados para lutar na terceira batalha.

Na versão ao vivo da música (video abaixo), no começo da música, Bruce Dickinson recita um trecho do poema “Anthem For Doomed Youth”, de Wilfred Owen (1893-1918). Durante a música o próprio Bruce se caracteriza de soldado em meio a arames farpados e trincheiras como cenário.

Iron Maiden "Paschendale" (Death On The Road)


Letra: "Paschendale" (Iron Maiden)
Autores: Adrian Smith e Steve Harris

Em um terreno estrangeiro ele está
Um soldado solitário que desconhece seu tumulo
Em suas palavras agonizantes ele reza
Contem ao mundo sobre Paschendale

Alivie tudo por que ele passou
Uma ultima comunhão da alma
Ele enferrujou suas balas com suas lágrimas
Deixe-me contar sobre seus anos

Abaixado em uma trincheira cheia de sangue
Matar até ser morto
Em meu rosto eu sinto a chuva
Nunca verei meus amigos novamente

Sob a fumaça, lama e chumbo
Sinto o cheiro da morte e a sensação de receio
Logo a hora de passar pelo muro virá
Uma rajada rápida espera por todos nós no fim

Assobios, gritos e mais rajadas de fogo
Corpos sem vida pendurados em arame farpado
O campo de batalha nada mais é que uma tumba sangrenta
Logo irei me reunir aos meus amigos mortos

Muitos soldados tinham apenas dezoito anos
Afogados na lama, chega de lágrimas
Certamente numa guerra ninguém vence
A hora da matança está prestes a começar

De casa, estou longe
Da guerra, uma chance de viver novamente
De casa, estou longe
Mas na guerra, sem chance de viver novamente

Os corpos nossos e de nossos inimigos
Um mar de morte que inundou
Na terra de homem algum, só Deus sabe
Para as mandíbulas da morte nós vamos

Crucificados como numa cruz
As tropas aliadas lamentam suas perdas
Máquina Alemã de propaganda de guerra
Como esta nós nunca tínhamos visto

Juro que ouvi os anjos chorarem
Rezo a Deus que mais ninguém morra
Assim as pessoas saberão a verdade
Contem a lenda de Paschendale

A crueldade tem um coração humano
E cada pessoa tem sua parte nisso
O terror das pessoas que matamos
O coração humano ainda está sedento

Defendo minha posição pela ultima vez
Minha arma está preparada enquanto me ponho na linha
Nervoso eu espero o assobio soar
Uma investida de sangue e em frente nós vamos

Sangue cai como chuva
Seu manto vermelho se revela novamente
O som das armas não pode esconder a vergonha deles
E assim nós morremos em Paschendale

Desviando das minas e dos arames farpados
Correndo direto ao fogo dos canhões
Correndo às cegas enquanto prendo a respiração
Faço uma prece, sinfonia da morte

Enquanto atacamos as linhas inimigas
Acontece uma explosão e nós tombamos
Eu exalo um grito mas ninguém o ouve
Sinto o sangue descer minha garganta

De casa, estou longe
Da guerra, uma chance de viver novamente
De casa, estou longe
Mas na guerra, sem chance de viver novamente

Vejam meu espírito sob o vento
Bem além das linhas inimigas
Amigos e inimigos se encontrarão novamente
Todos aqueles que morreram em Paschendale

Site Oficial: Iron Maiden



2 Musicólatras Comentaram:

Edison Junior disse...

Não sou propriamente um fã do Iron Maiden, mas o som é legal. valeu!

Marcello disse...

Adoro Iron não só pelo som pesado, mas pela inteligência em fazer as letras, o acompanhamento, todo o teatro dos shows, eles são muito bons.

Assisti o filme quase sem querer, comprei-o pirata (ripado de dvd)e fiquei admirado com o sacrifício dos canadenses,eu conhecia a história dessa batalha muito por alto, mas o filme me deu outra visão.

Acredito que as piores batalhas nesse tipo de campo foram essa e Ardénnes (neve) que realmente sacrificam o soldado de qualquer lado da batalha.

Ótimo post.