quarta-feira, julho 07, 2010

Documentário: We.Music - Como a Web Revoluciona a Música?

 

“Em sua estrutura, as novas mídias são igualitárias. Por meio de um simples processo de conexão, todos podem participar dela (…) As novas mídias têm a tendência a eliminar todos os privilégios de formação, e com isso também o monopólio cultural da inteligência burguesa.” Hans Magnus Enzensberger, 1970


A PIX e a REMIX SOCIAL IDEAS levaram pro Estúdio do Museu da Imagem e do Som uma discussão sobre o futuro da música: o quanto a internet revolucionou a criação, produção, consumo e distribuição da música?

We.Music, produzido e dirigido pela Galeria Experiência e desenvolvido por Pix, Remix Social Ideas e o MIS, é um interessante documentário sobre a transformação no campo da produção, distribuição e consumo musical causada pela revolução digital, mais particularmente a web. Coloca juntas as opiniões de artistas independentes com perfis diferentes sobre os novos paradigmas do mercado musical.  E assim foram juntados 8 artistas com sons totalmente diferentes e, em duplas, eles se trancaram no Estúdio MIS pra criar músicas. No documentário você acompanha todo o processo de co-criação e mashup de estilos diferentes, bem como a opinião de especialistas sobre o futuro da música. As duplas responsáveis pela criação da música foram: Killer on the Dance Floor + Thiago Petit, Database + Holger, Firefriend + Pristine Blusters e Chernobyl + Xis - confiram o resultado final de cada uma das músicas abaixo.

Eu particulamente achei o vídeo demais, bem interessante. Uma coisa é a nossa opinião como consumidores, e outra é a de quem não só consumi como também trabalha no meio (Djs, bandas, Mc's, produtores etc) estando assim mais diretamente ligado às mudanças. E isso acontece de uma forma tão espontânea, descontraída e pessoal que parece até uma conversa de mesa de bar, no sentido de que não há a preocupação do "não vou falar isso por que tem uma câmera filmando", ao menos a impressão é que todos falam o que relamente pensam das gravadoras, da barganha das indústrias, de samplear ou remixar outros artistas....há parte inclusive que membros da banda disordam sobre determinado assunto. Enfim, é um documentário leve, pequeno (tem em torno de 35 minutos) e ótimo para se ver, pensar e discutir, disponibilizado na íntegra logo acima. Vale muito a pena, fica a dica!!


*** Uma palavra muito utilizada no documentário é sample. Como alguns podem não saber o significado, botei abaixo o conceito para o melhor entendimento dos diálogos:

Sampler é um equipamento que consegue armazenar sons (samples) de arquivos wav (os mesmos de um CD) numa memória digital, e reproduzi-los posteriormente um a um ou de forma conjunta se forem grupos, montando uma reprodução solo ou mesmo uma equivalente a uma banda completa.

Este é um dos grandes responsáveis pela revolução da música eletrônica pois através dele e usando ciclos (loops em inglês), pode-se manipular os sons para criar novas e complexas melodias ou efeitos. Como instrumento musical é usado em vários géneros musicais, como o pop, hip-hop, dance music, rock, metal, música experimental e até na MPB.

Logo, samplear é utilizar trechos de registros sonoros antes realizados para montar uma nova composição (geralmente musical). Muito utilizado por exemplo, por djs e mcs.


Abaixo, ouçam as músicas criadas pelas duplas de artistas:



Database + Holger - This is an untitled song




Killer on the Dancefloor + Thiago Pethit - Come Debbie




Chernobyl + Xis - Pra que tuso se nada se leva




Pristine Blusters + Firefriend - So Slow



Conheça mais no site oficial do projeto e baixe as músicas criadas pelos artistas: wemusic.com.br

PIX - mypix.com.br
REMIX - twitter.com/remixingideas
MIS - mis-sp.org.br
YOUPIX - youpix.com.br
GALERIA EXPERIÊNCIA - galeriaexperiencia.com.br



5 Musicólatras Comentaram:

Edison Junior disse...

Muito interessante o documentário, embora eu não seja um fã de música eletrônica.

Rafhael Vaz disse...

Tive a mesma opinião que vc Edison, gostei bastante do documentário mas as músicas não me agradaram, são todas eletrônicas.

Daniel disse...

Concordo. O documentário é muito interessante mesmo, pena que é música eletrônica.

O fato é que internet revolucionou a música, assim como a tecnologia vem revolucionando.

Um comentário que eu achei interessante foi sobre a ideia do musico ter em casa um estudio e gravar seu próprio disco e reduzir de maneira significativa os gastos que ele teria com um estudio profissional (vamos dizer assim). Sem falar que com a internet o músico (que não teria espaço em outros lugares) encontra um meio cheio de oportunidades para divulgar seu trabalho.

Enfim. Creio que a música está em uma revolução constante, em todos os sentidos.

Abraço

Marcello disse...

Caraca,

Que louco o documentário.

É bom pra quem curte a história da música, mesmo não gostando da sonoridade.

Valeu, bela postagem.

Rafhael Vaz disse...

Daniel, outro ponto eles citam bem interessante é que os artistas sempre ganharam dinheiro com shows, o cd em si nunca deu mto lucro para eles, chegando este a ser comparado com um portifólio. A tecnologia veio, barateou demais o custo de produção para se lançar cds e, ainda assim os preços continuam altos. Deu no que deu.

Valeu Marcelo!!!

Abraços!!