sábado, junho 12, 2010

Robert Johnson

Olá musicólatras de todas as partes...

Hoje falarei sobre um dos maiores musicos de blues de todos os tempos, com certeza o bluesman que mudou o rumo técnico da guitarra blues. Nessa postagem (particularmente muito especial para mim) mostrarei todo material que recolhi em pesquisas que fiz sobre Robert Johnson.


Robert Leroy Johnson (8 de Maio, 1911 – 16 de Agosto, 1938). É um dos músicos mais influentes do Mississippi Delta Blues e é uma importante referência para a padronização do consagrado formato de 12 compassos para o Blues. Influenciou grandes artistas durante anos como Muddy Waters, Led Zeppelin, Bob Dylan, The Rolling Stones, Johnny Winter, Jeff Beck, e Eric Clapton, que considerava Johnson "o mais importante cantor de blues que já viveu".

Johnson nasceu em Hazlehurst, Mississippi. Sua data de nascimento oficialmente aceita (1911) provavelmente está errada. Registros existentes (documentos escolares, certidões de casamento e certidão de óbito) sugerem diferentes datas entre 1909 e 1912, embora nenhum contenha a data de 1911.

Robert Johnson gravou apenas 29 músicas em um total de 41 faixas, em duas sessões de gravação em San Antonio, Texas, em Novembro de 1936 e em Dallas, Texas, em Junho de 1937. Treze músicas foram gravadas duas vezes. Suas músicas continuam sendo interpretadas e adaptadas por diversos artistas, como Eric Clapton, The Rolling Stones, The Blues Brothers, Red Hot Chili Peppers e The White Stripes.


Em 1938 durante uma apresentação no bar "Tree Forks" Johnson bebeu whisky envenenado com estricnina, supostamente preparado pelo dono do bar, o qual estava enciumado por Jonhson ter flertado com sua mulher, Sonny Boy Williamson que estava tocando junto com Jonhson, havia alertado-o sobre o whisky, porém este não lhe deu atenção. Johnson se recuperou do envenenamento, mas contraiu pneumonia e morreu 3 dias depois, em 16 de Agosto de 1938, em Greenwood, Mississippi. Há várias versões populares para sua morte: que haveria morrido envenenado pelo whisky, que haveria morrido de sífilis e que havia sido assassinado com arma de fogo. Seu certificado de óbito cita apenas "No Doctor" (Sem Médico) como causa da morte.


Outro mito popular recorrente sugere que Johnson vendeu sua alma ao diabo na encruzilhada das rodovias 61 e 49 em Clarksdale, Mississippi em troca da proeza para tocar guitarra. Este mito foi difundido principalmente por Son House, e ganhou força devido às letras de algumas de suas músicas, como "Crossroads Blues", "Me And The Devil Blues" e "Hellhound On My Trail". O mito também é descrito no filme de 1986 “Crossroads”.

Embora Johnson certamente não tenha inventado o blues, que já vinha sendo gravado 15 anos antes de suas gravações, seu trabalho modificou o estilo de execução, empregando mais técnica, riffs mais elaborados e maior ênfase no uso das cordas graves para criar um ritmo regular. Suas principais influências foram Son House, Leroy Carr, Kokomo Arnold e Peetie Wheatstraw.
Johnson influenciou Elmore James e Muddy Waters, e o blues elétrico de Chicago na década de 1950 foi criado em torno do estilo de Johnson. Há uma linha direta de influência entre a obra de Johnson e o Rock and roll que se tornaria popular no pós-guerra.





4 Musicólatras Comentaram:

Emmanuella disse...

A história de Robert Johnson é um clássico talvez justamente pela falta de maiores informações. A imaginação vai à mil, hahah

Edison Junior disse...

Consegui um DVD com o filme Crossroads, cuja história é baseada nessa pseudo biografia de Robert Johnson. O argumento de filme é meio água com açúcar, mas o resultado final é até legal e a música nem se fala. Ótimo post!

Daniel disse...

Que história hein. Eu já ouvi falar muito do Robert Johnson, mais nunca parei para ouvi-lo. Inclusive vou procurar depois.

Ótimo post Teberga.

Abraço

Rafhael Vaz disse...

Ótimo post!! A versão que conhecia era que ele tinha morrido de sífilis, e que tinha "vendido" sua alma para o diabo. Mas sua história gira em tonor de incertezas, a única certeza é de sua grande importância e colaboração para o blues.

Abraços!!