terça-feira, maio 11, 2010

Ed Motta - "Aystelum"



Título: "Aystelum"
Cantor: Ed Motta
Ano: 2005
Gravadora: Trama
Nota: 9/10

Este álbum do Ed Motta não está entre os mais badalados da sua carreira e com isso muitos acabam não conhecendo, o que é uma pena. Em “Aystelum” Ed cria um ambiente criativo e inovador, principalmente por misturar o jazz, samba, soul e outros elementos. E João Duprat descreve tudo isso com muita propriedade e tenta desvendar um pouco desse universo criado por Ed Motta. A resenha postada abaixo é apenas um trecho, mais vou disponibilizar o link no final para quem quiser ler na integra.

Por João Duprat

Aystelum é um mundo paralelo concebido por Ed Motta. Neste trabalho, o cantor, compositor, instrumentista e arranjador parte do caminho aberto por “Dwitza” (2001) e incorpora novos elementos a uma sonoridade em constante evolução, mantendo sua marca registrada de sofisticação harmônica. Ed Motta é apaixonado por música e este álbum reflete seu gosto musical sem fronteiras. Em Aystelum, assim como na vitrola de Ed, convivem em harmonia o jazz, o samba, o soul e os musicais da Broadway. Aliás, a junção desses fragmentos aparentemente dispersos nada mais é do que a própria definição do trabalho de um compositor. A capa criada por Edna Lopes e Ed Motta, de traço inspirado nos quadrinhos franco-belgas da escola Ligne Claire, oferece algumas pistas para desvendar o mistério de Aystelum. A história sem palavras remete a um universo fantástico e demonstra como a audição do disco pode levá-lo a lugares desconhecidos. Neste disco, buscou-se uma naturalidade nas interpretações, com os músicos tocando “ao vivo” no estúdio, todos ao mesmo tempo. Poucos detalhes foram adicionados posteriormente – um trabalho no qual Ed é mestre, retratado no documentário sobre a gravação de “Poptical” (2003), incluído no DVD lançado em 2004. A busca pela liberdade de expressão é o que move Ed Motta. Assumir riscos é condição fundamental para atingir esse objetivo. No universo de Aystelum, o autor exerce controle absoluto, utilizando-o para realizar um sonho que poderia encontrar limitação no mundo real. Alberto Continentino (baixo), Paulinho Guitarra, Rafael Vernet (teclados) e Renato “Massa” Calmon (bateria) já são presenças constantes nos discos e nos shows de Ed. Aystelum também conta com participações especiais, dentre outros, de Andrés Perez (saxofone tenor) e de seu colaborador freqüente Jessé Sadoc Filho (trompete). O destaque dado por Ed Motta para o trabalho dos músicos é raro nos artistas populares atuais. Talvez por isso seja tão difícil reunir um grupo tão seleto como Ed consegue fazer.

Aystelum é o disco mais pessoal de Ed Motta até hoje e representa o melhor que o autor poderia produzir, isto é, o disco que ele gostaria de ouvir em casa. A experimentação de estilos diversos é surpreendente e estimula novas audições. Em Aystelum não existem preconceitos musicais, nem regras, mas somente a devoção de Ed Motta pela música e a convicção de que um artista deve ter como único compromisso a liberdade de criação.

Leia a resenha na integra. (Fonte: Ed Motta)

Ed Motta "A Charada" (Aystelum)



Ed Motta - "Pharmacias" (Altas Horas)



3 Musicólatras Comentaram:

Edison Junior disse...

Confesso que não sou um grande fã de Ed Motta, embora admire o trabalho dele pela autenticidade, que não se preocupa com o sucesso comercial fácil. Grande cara!

P.S. Fiquei procurando o Tintin na capa do CD, alguém achou?

Daniel disse...

Entendo. Eu sou suspeito para falar do Ed. E concordo com o que você disse, dificilmente o Ed faz um trabalho visando sucesso comercial, sem falar que a Trama da esse suporte para ele.

Não achei o Tintin hahaha..

Abraço

Rafhael Vaz disse...

Ainda não consegui parar para ouvir Ed Motta com calma. Acho até que já disse isso outras vezes. Mas o pior é que das poucas que ouvi eu até gostei de algumas.

Por essa resenha, parece que este cd ficou mto bom, vou baixar.

abraços!!