sexta-feira, abril 16, 2010

Stardust

É engraçado como a gente às vezes conhece tanto a versão de uma música que, quando nos deparamos com alguma interpretação ou leitura diferente, por melhor que seja, custa-nos a aceitá-la ou gostar dela. Quanto mais apreciamos a versão “original”, mais difícil é.

Mas, quando a música é boa mesmo, eu gosto é de colecionar suas versões. Como é o caso, por exemplo, de Stardust, composta no final da década de 30 por Hoagy Carmichael, advogado e compositor, que é autor também de, entre outras, Rockin’ Chair, eternizada por Louis Armstrong.

Stardust foi gravada por um monte de gente boa, incluindo Nat King Cole, Rod Stewart e… Fafá de Belém. As versões que eu trago aqui são outras duas. A primeira é de Willie Nelson, uma versão country da música:

Sometimes I wonder why I spend
The lonely nights
Dreaming of a song
That melody haunts my reverie
And I am once again with you
When our love was new
And each kiss an inspiration
But that was long ago
And now my consolation
Is in the stardust of a song
Beside a garden wall
Where stars are bright
You are in my arms
The nightingale tells his fairy tale
Of paradise where roses grew
And though I dream in vain
In my heart it will remain
My stardust melody
The memory of love's refrain


A segunda é instrumental, do vibrafonista Lionel Hampton, convertida caseiramente por mim de um LP que eu tinha e infelizmente nunca achei em CD. Já tive acesso a outras gravações de Hampton dessa música, mas nenhuma chega aos pés desta. Preste atenção especialmente ao solo de vibrafone a partir do 5º minuto da música. Feche os olhos e sinta a poeira das estrelas.



1 Musicólatras Comentaram:

Emmanuella Conte disse...

Eu tenho minhas opiniões quanto a versões. Eu geralmente gosto da maioria que ouço, porque é até interessante ver como a música fica em estilos e arranjos diferentes... Mas tem música que eu não admito versões, sou meio xiita com certas coisas, hahah