sexta-feira, março 26, 2010

Jeff Healey, os Olhos de Anjo.

Não tem muito tempo que conheço Jeff Healey. Mas a maneira como o conheci já foi suficiente para que eu o admirasse de uma maneira devota. Estava eu ouvindo um antigo álbum de tributo aos Beatles que achei aqui em casa, e nele estão versões de clássicos tocadas por vários artistas famosos, como David Bowie, Elton John, Aretha Franklin e outros. Uma delas, e inclusive uma de minhas versões favoritas, era da tal "The Jeff Healey Band", tocando While My Guitar Gently Weeps. Curiosa sobre aquele nome que eu nunca havia visto e encantada com a versão, resolvi pesquisar. O que achei me deixou impressionada, e hoje costumo dizer que Jeff Healey foi a descoberta tardia mais feliz e mais triste que fiz.


Jeff nasceu em Toronto, no Canadá, em 25 de março de 1966. Com menos de um ano de idade, desenvolveu um raro tipo de câncer que o deixou cego. Seus olhos precisaram ser removidos e substituídos por artificiais. Foi adotado ainda muito novo e nunca chegou a conhecer os pais biológicos.

Aprendeu a tocar violão ainda com 3 anos e desenvolveu uma técnica que se tornou sua marca registrada - chama-se "lap top"; a guitarra fica deitada sobre o colo e ele utiliza os 10 dedos das mãos para tocá-la (com o passar dos anos e o aperfeiçoamento da técnica, Jeff ficou ousado e usava também os dentes, ou tocava com a guitarra atrás da cabeça ou até mesmo levantava e solava em pé, tirando o fôlego do público). Ainda muito jovem, começou a tocar em bares e em casas de shows, e aprendia a tocar novas canções ouvindo outros guitarristas tocarem.


Jeff Healey fez relativo sucesso, especialmente no Canadá, tocando Blues, mas antes disso tocou de tudo um pouco, como Jazz (aprendendo inclusive a tocar trompete), Country, Reggae, Heavy Metal, R&B e Rock. Em 1985, um amigo e lendário guitarrista chamado Albert Collins “convenceu” Jeff Healey a subir ao palco com ele e ninguém menos que Stevie Ray Vaughan por algumas semanas. O pequeno jovem, loiro e cego, impressionou Stevie Ray Vaughan, que passou a ser um grande amigo do menino prodígio.

No mesmo ano, Tom deixou sua carreira de engenheiro urbano e Joe sua promissora carreira dentro dos estúdios e se juntaram a Healey. Nascia então a The Jeff Healey Band com Jeff Healey na guitarra/vocal, Joe Rockman no baixo e Tom Stephen na bateria; Healey tinha apenas 19 anos de idade.

Em 1986, ao tocar em um festival em Vancouver com B.B. King, deixou o mestre e sua Lucille boquiabertos. Fizeram tour pelo Canadá por dois anos, lançando uma demo antes de se filiarem a uma gravadora.


Seu álbum de estréia foi o "See The Light", que já atraia devotos do blues, chamando a atenção para Angel Eyes e Confidence Man. Nessa mesma época Jeff Healey e banda participaram de um filme que lhe deu uma boa ascensão internacional: Road House ("Matador de Aluguel", com Patrick Swayze), onde tocava com sua guitarra em um bar. Em 1990, ganhou uma premiação de artista do ano, além de diversas indicações ao Grammy ao longo de sua carreira.

Infelizmente, em 2007, o câncer retorna em forma de sarcomas em suas pernas, que foram removidos cirurgicamente, mas retornaram em seus pulmões. O tratamento quimioterápico foi se tornando ineficiente e, em março de 2008, Jeff Healey perde a batalha.

Em maio, sua família e amigos organizaram um concerto beneficente em tributo à Healey, onde a renda seria revertida para apoiar estudos e pesquisas em busca da cura ou tratamento para este tipo de câncer.

Jeff deixou esposa e um casal de filhos. O mais novo, inclusive, desenvolveu o mesmo tipo de câncer do pai.

While My Guitar Gently Weeps:



Confidence Man, ao vivo em São Paulo (1995):


Angel Eyes (ao vivo, 2006):



3 Musicólatras Comentaram:

Edison Junior disse...

Não o conhecia. Muito legal!

Marcello disse...

Emma..

Conheci Jeff Healey quando morava nos EUA,e depois disso não deixo de ouvi-lo pelo menos uma vez por mês..rsrs

É realmente triste ver tantos talentos derrotados pelo câncer.

Parabéns pelo texto....adorei.

Rafhael Vaz disse...

Tb não conhecia.
Bacana e triste a história do cara.

Bjos!